Menu Close

Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Há mais de cinco décadas, a Universidade Estadual de Londrina (UEL) destaca-se como referência nacional em ensino, pesquisa e extensão, consolidando-se também no cenário internacional devido ao impacto de suas pesquisas. Com uma estrutura acadêmica robusta, oferece 53 cursos de Graduação e 191 de Pós-Graduação, distribuídos em nove Centros de Estudo, reunindo uma comunidade de 25 mil membros entre estudantes, professores e servidores.

Fundada em 1970 e reconhecida um ano depois, a UEL representa o compromisso das lideranças do norte do Paraná com o desenvolvimento regional através do ensino superior. Incorporando as faculdades pioneiras de Direito, Filosofia e Odontologia da década de 1950, a universidade tem sido um catalisador de tecnologias, oportunidades e recursos humanos. Londrina, onde está sediada, é reconhecida como polo agrícola, de saúde e um centro de excelência em Tecnologia da Informação e Comunicação.

A UEL tem se destacado em avaliações externas, sendo a 1ª estadual do Paraná e a 4ª do país no Índice Geral dos Cursos (IGC) do MEC, além de figurar em 21º lugar entre as universidades brasileiras no QS World University Rankings. Com 32 cursos de Doutorado, 47 de Mestrado, 72 Residências e 40 Especializações, atende a mais de 2.600 estudantes. A universidade promove a Iniciação Científica em todos os níveis, incentiva a pesquisa em laboratórios multiusuários, orienta processos de revalidação de diplomas estrangeiros e fortalece sua inserção internacional.

Na área da extensão, a UEL desenvolve uma gama de projetos nas áreas de comunicação, cultura, educação, meio ambiente, direitos humanos, justiça, tecnologia, produção, trabalho e saúde. Destacam-se iniciativas voltadas ao empreendedorismo, agricultura orgânica, assistência jurídica e psicológica, além de atividades culturais. Reconhecida também pelo seu compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, a UEL foi classificada como a 3ª universidade pública do país no Times Higher Education Impact Ranking.

Links

Displaying 1 article

Consumir muita informação de baixa qualidade nas redes sociais pode comprometer a capacidade de distinguir verdade e mentira. Pesquisadores chamam fenômeno de ‘obesidade mental’. Terreno fértil para desinformação política. O que pode se agravar com AI. Arte: Emily Curbani/CMC

O estado comportamental do eleitor e a influência da desinformação no processo: desafios das eleições 2024

Entendendo a desinformação: um olhar sobre o fenômeno que se perpetua nas redes sociais, e os desafios diante do uso da Inteligência Artificial nas eleições municipais de 2024

Authors

More Authors