Menu Close
Impressão artística de uma bola de fogo cruzando o céu.
Quem é responsável por danos causados por objetos de origem humana que caem do céu? Há tratados em vigor. Triff / Shutterstock

A crescente enxurrada de lixo espacial é um risco para nós na Terra - e os governos são os responsáveis

Recentemente, um pedaço de lixo vindo do espaço atravessou o telhado e o piso da casa de um homem na Flórida. Mais tarde, a Nasa confirmou que o objeto era proveniente de um hardware indesejado liberado da estação espacial internacional.

Esperava-se que a peça de 700g e 10cm de comprimento queimasse, disse a Nasa. Mesmo um pedaço de lixo relativamente pequeno pode causar danos consideráveis ao cair do espaço.

Isso levanta várias questões importantes. Quem é responsável pelos danos causados por objetos feitos pelo homem que caem do céu? Há algo que possa ser feito para evitar que isso aconteça? Felizmente, os tratados internacionais fornecem algumas respostas para a primeira pergunta, enquanto os desenvolvimentos recentes ajudam na segunda.

O tratado sobre o espaço sideral de 1967 diz que o país que autorizou o lançamento (conhecido como “Estado lançador”) é responsável pelos danos causados a pessoas ou objetos na Terra. A convenção de responsabilidade da ONU, que entrou em vigor em 1972, também torna essa responsabilidade absoluta para danos na Terra ou em aeronaves em voo.

O conceito de responsabilidade absoluta significa que a responsabilidade se aplica independentemente de quem foi o culpado. Os países também são responsáveis pelas seções de espaçonaves e foguetes lançados por empresas privadas. Isso ocorre porque o artigo 6 do tratado sobre o espaço exterior torna as nações responsáveis pelas atividades de seus cidadãos no espaço exterior.

Portanto, se um pedaço de lixo espacial lançado por um país cair em outro, o Estado lançador é responsável por qualquer compensação financeira que possa resultar dos custos de danos ou limpeza. É importante observar que esses princípios estão relacionados ao direito internacional. Um objeto dos EUA que danifica uma propriedade dos EUA é uma questão para a legislação dos EUA.

Todos os objetos na órbita da Terra estão caindo em direção à Terra. Os satélites ativos se envolvem na “manutenção da estação” para permanecer em sua órbita pretendida. Os satélites inativos - aqueles que não funcionam mais ou estão desativados de alguma forma - não poderão realizar essa tarefa.

Suas órbitas cairão constantemente até que entrem novamente na atmosfera da Terra. Dos cerca de 11.000 satélites em órbita atualmente, estima-se que cerca de 3.300 estejam inativos.

Há duas opções principais de melhores práticas quando a vida útil de um satélite ativo chega ao fim. Uma delas é mover o satélite para uma órbita mais alta, conhecida como órbita de cemitério, a fim de atrasar a data de reentrada (em centenas ou até milhares de anos).

Outra opção é reorientar o satélite para garantir que ele reentre de uma maneira que garanta que ele se queime na atmosfera ou que cause apenas danos mínimos no solo.

Entretanto, devido a mau funcionamento ou danos, alguns objetos espaciais ainda sofrem uma reentrada não planejada na atmosfera da Terra e, portanto, podem pousar em qualquer lugar. No entanto, como a Terra é grande, o risco de um determinado objeto espacial causar danos a pessoas ou propriedades é baixo, especialmente porque um objeto espacial também precisa sobreviver ao calor abrasador da reentrada, que faz com que muitos pedaços de lixo espacial se queimem.

Entretanto, o lixo espacial pode, às vezes, chegar ao solo. Alguns, como os detritos da Skylab, a primeira estação espacial dos EUA, caíram no oeste da Austrália em 1979, mas não causaram danos. Outros detritos espaciais, como o Cosmos 954, um satélite soviético movido a energia nuclear, espalhou detritos radioativos perigosos pelo norte do Canadá quando reentrou em janeiro de 1978.

Embora essa limpeza tenha custado ao governo do Canadá 14 milhões de dólares canadenses (cerca de 5,3 milhões de libras esterlinas, segundo as taxas de câmbio de quatro décadas atrás), a União Soviética reembolsou o governo canadense em 3 milhões de dólares canadenses. Esse continua sendo o teste mais significativo dos tratados espaciais e mostra as limitações das proteções fornecidas pela lei internacional, pois a compensação foi uma fração do custo da limpeza.

O objeto que recentemente danificou a casa na Flórida era americano, portanto, esse incidente não testará os tratados espaciais, já que o incidente ocorreu em solo americano e, portanto, será uma questão de direito americano.

No entanto, ele ilustra os riscos legais da proliferação de objetos espaciais sem um planejamento adequado do fim da vida útil. Quanto mais objetos forem lançados no espaço sideral, mais deles retornarão à Terra. De fato, todos eles acabarão entrando na atmosfera e nem todos se queimarão no processo.

Estação Espacial Internacional.
Objetos grandes, como a Estação Espacial Internacional, precisarão ser cuidadosamente desorbitados no final de suas vidas. NASA

Mitigando o lixo espacial

Dois conjuntos de diretrizes da ONU apresentam um quadro animador sobre o que acontece com o lixo espacial. O trabalho recente para incorporar um planejamento de longo prazo a esses acordos não vinculativos incentiva o desenvolvimento de planos de fim de vida útil para objetos espaciais, como satélites.

As diretrizes têm como objetivo principal lidar com o problema crescente do lixo espacial em vez de evitar que os objetos causem danos na Terra. Entretanto, o planejamento para o fim da vida útil de um objeto espacial também reduzirá o risco de um impacto no solo.

Um pedaço de lixo espacial deve reentrar em uma trajetória que garanta que ele se queime ou caia em um local onde seja improvável que cause danos. Embora as diretrizes não sejam obrigatórias, as cláusulas de responsabilidade dos tratados espaciais não o são, o que motiva a conformidade dos países lançadores.

O risco de um pedaço de lixo espacial se chocar contra o telhado de sua casa continua muito baixo. No entanto, à medida que mais espaçonaves forem lançadas, o risco de queda de lixo espacial aumentará marginalmente. No entanto, a legislação espacial está do seu lado e os esforços para resolver o problema reduzirão o risco para pessoas e propriedades.

This article was originally published in English

Want to write?

Write an article and join a growing community of more than 187,200 academics and researchers from 5,000 institutions.

Register now