Menu Close
Gráfico com mapa mundi indicando os graus de anomalias de temperatura de superfície dos oceanos
De acordo com o programa europeu Copernicus, as temperaturas da superfície do mar em fevereiro de 2024 foram significativamente mais altas do que no período de 1991 a 2020. Fonte de dados: ERA5. Crédito: Copernicus Climate Change Service/ECMWF

Acordo de Paris: já ultrapassamos 1,5°C de aquecimento? O que dizem as observações recentes

No Artigo 2 do Acordo de Paris a comunidade internacional se compromete a limitar o aquecimento global em relação à era pré-industrial a “bem abaixo de 2°C” e a “tomar medidas adicionais” para atingir uma meta de aquecimento máximo de 1,5°C. O acordo, no entanto, não aponta explicitamente qual indicador deve ser usado para avaliar nossa posição em relação ao cumprimento desses objetivos.

Em janeiro passado, a Organização Meteorológica Mundial (OMM) estimou que a temperatura média em 2023 teria ficado 1,45°C acima dos níveis pré-industriais. A OMM também anunciou que 2024 provavelmente será ainda mais quente, devido ao prolongamento do fenômeno El Niño, que começou em meados do ano passado. Um aquecimento de 1,5°C, então, poderá ser observado pela primeira vez em um ano inteiro. De acordo com o programa europeu Copernicus, esse já é o caso se considerarmos a média móvel de 12 meses entre fevereiro de 2023 e janeiro de 2024.

Dada a variabilidade de curto prazo do clima, seria errado deduzir que o aquecimento global atingiu 1,5°C. Mas como esses indicadores são estabelecidos e como eles podem ser usados para avaliar nossa posição atual em relação aos objetivos do Acordo de Paris?

Como monitoramos a temperatura global

A OMM é uma agência das Nações Unidas com sede em Genebra. Em seus relatórios anuais, ela consolida informações de seis organizações que têm seus próprios sistemas de observação e gerenciam bancos de dados históricos sobre temperaturas globais.

Três delas estão sediadas nos Estados Unidos: a agência estatal NOOA, responsável pela observação dos oceanos e da atmosfera, a GISS, que depende da NASA, e a Berkeley Earth, uma associação de cientistas sem fins lucrativos. No Japão, o banco de dados JRA-55 é gerenciado pelo Serviço Meteorológico Nacional local, assim como o banco de dados HadCRUT5 do Hadley Centre, no Reino Unido. Por fim, o programa europeu Copernicus é responsável pelo banco de dados ERA5.

graph
Diferença na temperatura média global em °C em comparação com a média de 1850-1900. Graus Celsius no eixo y, anos no eixo x. World Meteorological Organization, CC BY-NC-ND

Em tempos recentes, houve muito pouca dispersão nas estimativas da temperatura média global. Ela aumenta à medida que voltamos no tempo. No passado, havia muito menos observações disponíveis, e elas não eram tão precisas nem tão confiáveis quanto as fornecidas pelos satélites atualmente. Isso levanta a questão de qual referência histórica deve ser usada para calcular o aquecimento global em relação à era pré-industrial.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU (IPCC) abordou essa questão em seus vários relatórios de avaliação. Ele recomenda considerar a temperatura média estimada no período de 1850 a 1900 como representativa do período pré-industrial. Ao resumir o trabalho existente, ele fornece uma estimativa do aumento da temperatura entre 1850 e 1900 e o período recente (+0,69°C entre 1850-1900 e 1986-2005, de acordo com o sexto relatório do IPCC).

A OMM está usando esse trabalho para consolidar as observações fornecidas pelos seis centros de pesquisa e produzir uma estimativa de referência do nível de aquecimento alcançado a cada ano. Essa é a estimativa de referência mostrada no gráfico acima: um aumento médio na temperatura de 1,45°C para 2023, sugerindo a possibilidade de um aumento de 1,5°C em 2024 se o El Niño continuar sem interrupção.

1,5°C já alcançado em 2015 e 2016

Na realidade, a meta de 1,5°C já foi atingida antes, se observarmos os dados subanuais. De acordo com informações no banco de dados do programa Copernicus, os primeiros dias com um aquecimento de 1,5°C foram registrados pela primeira vez em 2015. Já em novembro de 2023 o Copernicus registrou as primeiras médias diárias acima de 2°C.

Em termos de médias mensais, fevereiro de 2016 foi o primeiro mês a registrar um aquecimento de 1,5°C em relação à era pré-industrial. As altas temperaturas desse mês também se deveram a um evento muito intenso do El Niño. Em 2023, as médias mensais ultrapassaram 1,5°C todos os meses a partir do verão no Hemisfério Norte.

No entanto, nunca passaria pela cabeça de ninguém afirmar que atingimos o limite crítico de aquecimento do Acordo de Paris por causa desses excessos diários ou mensais. Mas e se a meta de 1,5°C for atingida em um ano inteiro?

O IPCC ressalta que um ano com um aquecimento de 1,5°C não significa que a meta do Acordo de Paris tenha sido atingida. Ele recomenda o uso de médias plurianuais. No sexto relatório do IPCC, o aquecimento observado de 1,1°C em relação à era pré-industrial foi calculado para a década de 2011-2020. Para diagnosticar se a meta de 1,5°C ou o limite de 2°C foram atingidos, o IPCC recomenda o uso de um indicador que abranja duas décadas.

Onde estaremos em 2024?

A OMM indica que, após a temperatura média registrada em 2023, o aquecimento atingiu 1,2°C na última década (2014-2023). Seguindo as recomendações do IPCC, teremos de esperar até conhecermos o aquecimento médio da próxima década (2024-2033) para podermos avaliar o estado do aquecimento atual. O método permite julgar a posteriori se as metas de temperatura foram atingidas ou ultrapassadas.

Obviamente, não sabemos as temperaturas da próxima década. Mas podemos estimá-las com base nas tendências do passado. Desde 1970, a curva de temperatura média tem seguido uma trajetória estatisticamente muito robusta: o termômetro aumenta 0,2°C por década. Enquanto o crescimento do estoque de gases de efeito estufa na atmosfera não for contido, não há razão para postular uma desaceleração dessa tendência.

graph
Dados da temperatura média global. Hadley Centre, CC BY-NC-ND

Vamos estender essa tendência para os próximos 10 anos. O aquecimento médio será então de 1,4°C na próxima década de 2024-2033 (1,2°C + 0,2°C). Portanto, podemos considerar que, até o início de 2024, teremos atingido um aquecimento médio de 1,3°C, supondo que não haverá mudança na tendência de aquecimento nos próximos dez anos.

É claro que, acima de tudo, isso mostra que a tendência deve ser revertida com urgência. Se ela continuar na próxima década, a meta de 1,5°C será atingida em meados da próxima década, conforme mostrado no gráfico. Se continuar assim, em 2050 estaremos na metade do caminho entre a meta de 1,5°C e o limite de 2°C.

This article was originally published in French

Want to write?

Write an article and join a growing community of more than 186,800 academics and researchers from 4,994 institutions.

Register now