Menu Close
Os cânceres silenciosos, como parece ser o caso da Princesa de Gales, são aqueles sem sintomas perceptíveis. Eles representam um desafio único para a detecção e o tratamento precoces. Frederic Legrand, Comeo/Shutterstock

Cânceres silenciosos: eis o que você precisa saber quando não há sintomas óbvios

As recentes revelações sobre o diagnóstico de câncer da Princesa de Gales destacam um aspecto crucial da detecção do câncer: a natureza às vezes silenciosa da doença.

Os cânceres silenciosos são aqueles sem sintomas perceptíveis. Eles representam um desafio único para a detecção e o tratamento precoces.

Ao contrário da percepção comum, o câncer nem sempre anuncia sua presença por meio de sintomas evidentes ou sinais óbvios. Muitas pessoas recebem um diagnóstico de câncer acidentalmente, quando ele é encontrado durante exames médicos de rotina ou investigações de problemas de saúde não relacionados, como parece ser o caso da princesa e do Rei Charles III.

Embora até mesmo os cânceres silenciosos possam, às vezes, ser agressivos e avançar rapidamente, eles também podem permanecer inativos por anos ou até décadas. Alguns cânceres de próstata, mama e tireoide, por exemplo, geralmente evoluem lentamente sem sintomas óbvios ou sem se espalhar além da área original.

Pesquisas sugerem que alguns desses cânceres são tratados em excesso. Às vezes, é melhor deixar os pacientes em paz ou tratá-los com muito mais cuidado, talvez até sem intervenção médica, usando uma estratégia de “observar e esperar”. Essa abordagem pode ser adotada com o câncer de próstata em idosos, por exemplo.

A importância do diagnóstico precoce

Independentemente do tipo de câncer, é sempre importante obter um diagnóstico precoce e, no caso de cânceres silenciosos, isso é obviamente um desafio.

Alguns sintomas de câncer podem ser vagos e facilmente confundidos com doenças benignas. Fadiga, perda de peso inexplicável e dor persistente estão entre os sintomas inespecíficos que podem sinalizar uma malignidade subjacente. Mas esses sintomas podem ser mal interpretados ou facilmente descartados, o que contribui para o atraso no diagnóstico e no tratamento.

Felizmente, em muitos países, incluindo o Reino Unido, temos testes de triagem para doenças como câncer de mama ou de cólon, para aumentar os diagnósticos precoces.

O diagnóstico precoce é um fator essencial para o sucesso do tratamento do câncer. A detecção do câncer em sua fase silenciosa oferece uma janela de oportunidade para a intervenção precoce e melhores resultados. A descoberta de cânceres assintomáticos por meio de exames de diagnóstico por imagem ou de triagem ressalta a importância dessas medidas proativas de saúde.

Identificar o câncer em um estágio inicial significa que a doença está confinada ao seu local de origem, é menor e potencialmente mais fácil de curar. O diagnóstico de um câncer menor geralmente significa que, se for necessária uma operação, ela poderá ser menos invasiva. Também pode haver uma chance menor de precisar de quimioterapia preventiva pós-operatória, para eliminar quaisquer células residuais.

O câncer colorretal (CRC) é um bom exemplo para mostrar a importância crítica do rastreamento. Estudos mostram que os pacientes que participam do rastreamento do CCR, como colonoscopias ou exames que procuram sangue nas fezes, têm maior probabilidade de serem diagnosticados enquanto assintomáticos e têm prognósticos mais positivos após o tratamento. Aqueles diagnosticados com CCR após apresentarem sintomas, como sangramento retal ou alterações nos hábitos intestinais, tendem a ter tumores mais avançados e resultados piores.

As iniciativas de saúde pública destinadas a aumentar a conscientização sobre a importância do rastreamento do câncer e do reconhecimento dos sintomas desempenham um papel fundamental na redução dos atrasos no diagnóstico. Capacitar as pessoas a se envolverem em medidas preventivas de saúde, como vacinas contra o HPV e mudanças no estilo de vida que diminuem o risco, pode facilitar a detecção e a intervenção precoces, possivelmente alterando a trajetória da doença.

Descoberta de biomarcadores

Os últimos avanços em tecnologias de diagnóstico, geralmente conhecidos como “descoberta de biomarcadores”, são promissores para melhorar as taxas de detecção precoce e refinar as estratégias de tratamento para cânceres silenciosos. Do perfil molecular às técnicas de biópsia líquida (exames de sangue para diagnosticar o câncer), abordagens inovadoras estão remodelando o cenário do diagnóstico do câncer, oferecendo novos caminhos para a medicina personalizada e de precisão.

Por exemplo, trabalhei com uma equipe que usava exames de sangue para identificar cânceres em mais de 1.000 mulheres que foram chamadas de volta após o exame de mamografia. Analisamos o DNA que as células tumorais liberam - o chamado DNA livre de células - e também a metabolômica (marcadores raros relacionados ao metabolismo no sangue). A partir dessas informações, encontramos pacientes saudáveis, doenças benignas, pré-câncer e câncer de mama. Embora haja um aumento da conscientização e do uso dessa abordagem na Europa, ela não é padrão no Reino Unido.

Os cânceres assintomáticos representam um desafio formidável para o atendimento ao paciente. Mas, ao incentivar os pacientes a adotar estilos de vida preventivos e a participar de exames e testes, os cânceres assintomáticos não precisam ser uma ameaça oculta à saúde.

This article was originally published in English

Want to write?

Write an article and join a growing community of more than 187,400 academics and researchers from 5,001 institutions.

Register now